Trilhas pela Cidade

Considerada um dos principais redutos de cariocas e turistas que buscam o frio da Serra Fluminense durante a temporada de inverno, Petrópolis é também uma opção de destino para o verão. Com temperaturas amenas, geralmente abaixo dos 30 graus — um verdadeiro oásis perto do calor da capital — a cidade ganhou fama após encantar a Família Real portuguesa no século XIX, quando o Imperador Pedro II decidiu firmar residência de veraneio na região.

Embora sejam necessários alguns dias de imersão para conhecer ao máximo seu potencial turístico, a curta distância em relação ao Rio (apenas 66 quilômetros) é convidativa para um passeio de um dia. Além de ar fresco, a viagem é garantia de belos visuais, oferecidos pela alta altitude da cidade. Montanhismo, banhos de cachoeira, variada gastronomia, circuito das cervejas, além de programas culturais pelo Centro Histórico, fazem de Petrópolis uma decisão acertada se o objetivo é diversão.

A cidade serrana é servida por uma boa malha viária, e a principal porta de entrada dela, a BR-040, é uma estrada moderna em meio à Mata Atlântica, caminho que já prepara o visitante para a exuberante natureza oferecida por lá. Natureza, aliás, é o que não falta em Petrópolis. O município abriga mais de 50% da área total do Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

As diversas trilhas marcadas dentro do parque levam a verdadeiros pedaços do paraíso, como os diversos poços e quedas d’água (geladas, a cerca de 10 graus, cabe ressaltar) espalhados pelo espaço. Os mais aventureiros podem escolher se querem gastar energia subindo por caminhos íngremes que levam à quedas d’água, como a famosa cachoeira Véu da Noiva. Já quem prefere fazer menos esforço pode ficar apenas pela parte baixa do parque, onde os poços são facilmente acessados por crianças e idosos.

O Circuito das Bromélias é a sugestão do montanhista e fotógrafo Waldyr Neto para quem dispõe de apenas um dia na cidade. O caminho até o primeiro poço — que não por ironia é chamado de Paraíso — fica a apenas 15 minutos de distância da portaria principal, acessada pela Estrada do Bonfim. Plantas exóticas, que remetem às plantações de bambuzais do Japão, servem de cenário para a leve caminhada.

— Dos seis poços que compõem o circuito, elegeria o Poço dos Primatas como o mais bonito. Já entre as várias cachoeiras do parque, o Véu da Noiva é a mais linda, embora exija maior tempo e esforço para ser atingida — diz o montanhista, autor do livro Guia de Trilhas de Petrópolis.

Fonte:  O Globo

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar
Registrar